segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Penitentes de AURORA – Um exemplo de resistência contra a descrença da modernidade - Por José Cícero*

Imagens dos Penitentes aurorenses no momento do ritual



Outras imagens dos Penitentes da ordem Santa Cruz de Aurora-CE

Na noite da última sexta-feira(27), tive mais uma vez o indescritível prazer de assistir in loco a tradicional “reza penitencial” executada pelo, antes hermético, grupo de Penitentes de Aurora atualmente dirigido pelo decurião – o Sr. Geraldo Caboclo do sítio Salgadinho. Desta feita, o “alertai” ocorreu pertinho de casa, isto é, na residência do Sr. José Serafim(Seu Zé do Gás e dona Maria) no bairro Araçá.
Tarde da noite os penitentes participaram de um antigo ritual com o qual no passado, costumavam assinalar a passagem do aniversário natalício dos sertanejos ante uma série de cânticos, oblações, benditos, litanias, orações e ladainhas. Coisas que no seu conjunto mais geral, as pessoas do interior denominavam simplesmente de “rezas e orações dos penitentes para os santos” com vistas ao “benzer” da residência no sentido de trazer melhor sorte para os donos da casa.
Anos atrás, comecei a acompanhá-los pela 1ª vez em algumas das suas ‘celebrações, andaças e alertais’ pelas noites adentro dos nossos sertões, tanto na periferia da cidade, quanto na zona rural. A primeira, para uma matéria que produzir e publiquei no caderno regional do renomado jornal cearense Diário do Nordeste a pedido da então jornalista responsável pelas páginas do interior - Valéria Feitosa. A tal matéria ocupou duas páginas do DN em edição veiculada exatamente na sexta-feira da paixão em 2008. Pouco depois com vistas ao lançamento da ‘Revista Aurora’, ao lado do professor Luiz Domingos que por sinal, também compõe o referido grupo. Noutra ocasião, em companhia do fotógrafo paraense Guy Veloso que esteve em Aurora, cuja imagens servem ainda hoje para uma exposição itinerante que o mesmo realiza na Europa e ao redor do mundo.
O Grupo de AURORA:
Os membros dos grupos de Penitentes de Aurora, fazem parte da chamada Ordem Santa Cruz – como uma suposta forania do que eles próprios chamam de igreja rural laica e primitiva do município. Algo que remota dos idos do padre Ibiapina, Conselheiro e padre Cícero. O decurião do grupo em geral segue na frente postando nas mãos o sacro Cruzeiro de madeira e puxando a primeira voz do coro.
Vê-los cantar com os rostos cobertos em seus estranhos hábitos brancos e como se abrissem em nossa frente um canal de contato com o passado e uma escada para o mundo espiritual. Um contraponto em que se coloca em diapasão, o sagrado e o profana num desafio quase mortal. É em suma, uma tradição religiosa e primitiva no mais profundo estado de resistência contra o chamado fantasma da modernidade que a tudo soterra e destrói. No entanto, a visão mais forte dos penitentes é, sem sombras de dúvidas, a sessão de penitência em que alguns fazendo uso de peças cortantes sugestivamente nominadas de “Disciplinas” cortam-se compulsivamente num ritmo frenético sob o cantar de antigos benditos quase incompreensíveis no seu frasear idiomático.
Trata-se de homens simples, mas fortes na crença de que é preciso aplacar os pecados do mundo para que a humanidade possa chegar um dia até Deus. Aurora já foi em outros tempos, um dos municípios do Nordeste com maior números de grupos. Era quase uma para cada sítio da zona rural. Hoje, no entanto, apenas dois ou três ainda permanecem em ação, sobrevivendo e resistindo a duras penas a toda sorte de perseguição, preconceito e desânimos dos que, movidos pelos acenos da modernidade, do luxo e do dinheiros os tratam no mais das vezes, tão somente, como fanáticos. Olhá-los em seus “alertai”, cânticos e rituais para mim, soa com um verdadeiro mergulho na história. Quando menino, confesso, eu assim como tantos outros daquela época tínhamos medo. Agora no entanto, com os meus olhos postos na história e na preocupação do futuro das nossas tradições temo que este movimento desapareça para sempre do nosso meio. Eis algumas das razões porque os admiro. Eles fazem parte da minha memória afetiva...

OS PENITENTES e suas crenças:
Pertencentes à Ordem da Santa Cruz fundada em meados do século XII na Europa por São Francisco(o santo da natureza), os representantes da chamada ‘igreja rural’ primitiva de Aurora é desde muito conhecido popularmente pela expressão quase mitológica de “penitentes”. Trata-se de diversos grupos de homens na sua maioria residentes na zona rural integrantes de uma irmandade de crentes que, a um só tempo, procuram encarnar nas mentes, corpo e alma uma visão do sagrado e do espiritual como uma autêntica ponte de cunho espiritual que (n)os mantêm ligados aos céus.
Há alguns Grupos de penitentes que ainda(vez por outra) praticam a autoflagelação como maneira de 'aplacar a ira de Deus', obter o perdão pelos imensos pecados do mundo e assim chegar ao paraíso. Mas esta é uma opção pessoal de cada um dos seus membros...
Enquanto outros grupos de penitentes viviam isolados no meio rural, agora os de Aurora assim como de Barbalha optaram por também realizar seus rituais em contato relativo com as cidades, nos subúrbios onde se (re)formavam e realizam seus ritos. Contudo, no meio rural a tradição ainda é mais forte...
No passado a tal Ordem se compunha de vários grupos de penitentes, geralmente sob a orientação de famosos decuriões de Aurora, chefes responsáveis pela direção de cada grupo e profundamente respeitados pela sociedade de então.
------------------------------------
Prof. José Cícero
Secretário de Cultura de Aurora-CE.

LEIA MAIS EM:

WWW.jcaurora.blogspot.com

WWW.prosaeversojc.blogspot.com

WWW.aurora.ce.gov.br

WWW.blogdaaurorajc.blogspot.com

WWW.seculteaurora.blogspot.com

www.blogdaaurorajc.blogspot.com

Fotos: José Cícero

AURORA FOLIA: Carnaval 2012



Imagens do momento da reunião com os representantes dos blocos carnavalescos

Aconteceu na manhã da última sexta-feira(27) na sede da secretaria de cultura de Aurora(Seculte) a reunião do secretário da pasta com todos os representantes e dirigentes dos blocos carnavalescos locais que participarão da disputa do AuroraFolia 2012. Das sete agremiações mominas que possivelmente disputarão o carnaval deste ano, seis estiveram representadas no encontro.
A saber: Auropirados, Chapolim(antigo Lono mau), Só Papai(antigo Pankadão), Moleque Doido(antigo Tchê, Tché, Tché), além de Rebolation, Kuduro e Tipifolia.
Várias questões foram debatidas durante a reunião, dentre as quais as de caráter disciplinar, o compromisso com as exigências contidas no regulamento e o desfile de abertura do evento com o desfile dos blocos pelas principais ruas da cidade, além do novo local do evento que este ano acontecerá na avenida João Joaquim dos Santos no bairro São Benedito(Aurora velha). Na oportunidade, também foram entregues os regulamentos do concurso. As inscrições para os blocos prosseguem até o próximo dia 3 na sede da Seculte.
....................

LEIA MAIS EM:

WWW.jcaurora.blogspot.com

WWW.prosaeversojc.blogspot.com

WWW.aurora.ce.gov.br

WWW.blogdaaurorajc.blogspot.com

WWW.seculteaurora.blogspot.com

www.blogdaaurorajc.blogspot.com

Fotos: Lamalouko-Seculte

Morreu neste sábado em Paulo Afonso BA - Aristeia, a última cangaceira dos sertões

José Cícero e a ex-cangaceira Aristeia em Delmiro Gouveia-AL março de 2011
JC, com o ten. João Gomes de Lira entre Bosco André, Jack de Witte e Manoel Severo em Nazaré-PE


1- Aristeia com João de Souza Lima e Manoel Severo. 2- José Cícero com ten. João Gomes de Lira
Segundo informações vindas do confrade-amigo escritor e pesquisador baiano João de Souza Lima(Paulo Afonso-BA) com pesar registramos o falecimento acontecido na tarde deste sábado, dia 28 de janeiro de 2012, às 13h no hospital Nair Alves de Sousa na cidade de Paulo Afonso-BA da Srª 'Aristeia' Soares de Lima aos 98 anos de idade.
Aristéia era uma das últimas cangaceiras ainda vivas da história do cangaço sertanejo. Ela estava iternada desde segunda feira, dia 23 com sério problemas de saúde. O sepultamento da mesma ocoerrá domingo(29) no Capiá da Igrejinha de Canapi - Alagoas solo em que nescera.
“Ela nunca chegou a lutar ao lado de Lampião. Aristéia fazia parte do grupo de Antonio Moreno (marido de Durvinha) e dizia que só viu Lampião quando a cabeça dele e do grupo de cangaceiros foram expostas em uma escadaria na cidade de Piranhas (AL), após serem mortos em uma emboscada na Grota de Angicos, em Poço Redondo (SE), no ano de938."
Depoimento:
"Quando participei em março de 2011 do 1º seminário internacional de Maria Bonita ocorrido na cidade de Paulo Afornso-BA, além de Canindé de São Francisco-AL e Piranhas-SE (incluindo a gruta Angico) tive o prazer de visitar Aristéia em sua residência sob os aupícios do camarada Manoel Severo, ante a grata companhia dos pesquisadores: Jack de Witte(o francês) e Bosco André(M.Velha) na cidade onde ela morava - Delmiro Gouveia-AL.(foto).
O que foi para mim um prazer incomensurável ter a rara oportunidade de conversar demorada e agradavelmente com aquela verdadeira lenda do cangaço nordestino. Um momento inesquecível. Ela era uma figura humana deveras alegre, amigável e cortês. Portanto, um diálogo recheado da mais pura história... algo que presumo não ter preço.
Na mesma ocasião do seminário também estive em Nazará da Floresta-PE com o célebre volante dos Nazarenos - históricos combatentes do bando de Lampião - o tenente João Gomes de Lira(foto) também recentemente falecido. Rezamos desde já por ambos..."
José Cícero -
Pesquisador do cangaço
Conselheiro do Cariri Cangaço
Aurora-CE.
------------------------------------------------------

LEIA MAIS EM:

WWW.jcaurora.blogspot.com

WWW.prosaeversojc.blogspot.com

WWW.aurora.ce.gov.br

WWW.blogdaaurorajc.blogspot.com

WWW.seculteaurora.blogspot.com

www.blogdaaurorajc.blogspot.com

Em Foco: NOTAS AURORENSES...












Flagrantes imagéticos da noite do Festival do repente aurorense

AURORA realiza II Festival de Violeiro “Campeões da Viola”

Na noite desta última sexta-feira (27) aconteceu no Centro Social Urbano(CSU) de Aurora na vila Paulo Gonçalves a II edição do festival de poetas populares – ‘Campeões da Viola’ que mais uma vez homenageou a memória do empresário Tarcísio Gonçalves. Um evento por sinal bastante concorrido, ocasião em que se fizeram presentes todos os amantes e admiradores da arte do repente aurorense, além de autoridades e violeiros de Aurora, da região e até de outros estados do Nordeste.
Além de reconhecidos entusiastas da viola e demais apologistas, estiveram presentes o Dr. Paulo Aquino, a viúva e familiares do homenageado, o vereador Aderlânio Macedo, a 1ª dama Rose Macedo que representou o prefeito Adailton, os secretário de Cultura José Cícero, de Agricultura José Dácio e de Administração Osasco Gonçalves. Como também convidados de outras cidades circunvizinhas.
Sob a organização do poeta Cícero Cosme e de Juraci Saraiva, o evento também abriu espaça para o violeiro mirim de Aurora Alex Luna de 9 anos de idade que na ocasião fez uma breve exibição em dupla com o repentista Jonas Bezerra. O garoto Alex representa uma verdadeira promessa da poesia de Aurora sendo, seguramente um dos poetas mais novos do Nordeste brasileiro.
A mesa de jurado foi presidida pelo vereador Aderlânio Macedo, sendo composta pelo secretário de cultura professor José Cícero, além do poeta Zé Marreta de Cachoeira dos Índios - PB e Juarandi Vaqueiro.
O festival foi oficialmente aberto pela apresentação da dupla: Cícero Cosme e Chico Alves com a sextilha: “ A Bíblia me ensinou” e o mote: “Somos filhos de Deus mais não sabemos adorar nosso pai como merece”. Seguido do início da competição através da 1ª dupla de violeiros a se apresentar no palco, os irmãos:
Joás Rodrigues e Jonas Bezera(Iguatu) – 1- Sextilha: “Nunca mais vi isso”
2- Mote setessilábico: - “pra você me acompanhar tem que correr muito mais”
3- Mote Decassílabico:- “Eu não quero 1 real nem 1 milhão sem ser ganho com a minha honestidade”. Seguido de:
Cícero Justino(Barro-CE) e Nelinho do Repente(Aurora): 1- “O que não dá resultado”, 2- “Sou desse jeito e não sei se quero ser diferente”. 3- “Meu rojão de cantar é muito quente, se você for gelado se derrete”...
Daniel Olímpio(Gravatá-PE) e Djair Olímpio(Gravatá): 1- “Eu acho muito difícil”, 2- “É preciso achar um meio que salve o meio ambiente”, 3- “Como posso dizer que vivo bem, se o país onde moro é desse jeito”.
Juciê da Silva(Aurora) e Chico Bié(Aurora): 1- “Onde é que Deus está”, 2- “O povo aqui tá pensando que você não canta nada”, 3- “Esta carta de amor me fez lembrar da mulher que eu mais amei na vida”.
Chico Oliveira(Acopiara/Catarina) e Vicente Bié(Aurora): 1- “O que mais me deixa triste”, 2- “Enquanto eu amei, você brincou com meu sentimento”, 3- “Cantoria tem sido até agora, o espírito do povo inteligente”.
Resultado Final:
1º lugar – Joáis Rodrigues e Jonas Bezerra – com 75 pontos.
2º lugar – Cícero Justino e Nelinho do Repente – com 70 pontos.
3º lugar – Daniel Olímpio e Djair Olímpio – com 69 pontos.
4º lugar – Vicente Bié e Chico Oliveira – com 63 pontos.
5º lugar – Juciê da Silva e Chico Bié – com 62 pontos.
................
Da Redação do Blog de Aurora
Fotos: Jean Charles(Seculte).
------------------------------------------------------------------------
Representantes da Federação Cearense de Luta de Braço(FCLB) visitam a Seculte-Aurora
Sec. José Cícero ladeado pela Srª Alzenir e o prof. Vicente da FCLB na sede da Seculte-Aurora
Esta semana estiveram visitando a Secretaria de cultura e Esporte do município(Seculte-Aurora) dois representantes da Federação Cearense de Luta de Braço a Sra. Alzenir Tavares e o professor Vicente Aquino de Figueiredo - ambos filhos de Aurora. Ela, há muito radicada em Fortaleza, ele na terra do Menino Deus, onde dirige a Arte Academia de sua propriedade.
Os mesmos foram recebidos na sede da Seculte-Aurora pelo secretário da pasta o professor José Cícero. Na ocasião apresentaram ao secretário o projeto e o cronograma da entidade com vista a realização de vários torneios referentes à modalidade esportiva por todo o 1º semestre de 2012, cujas disputas ocorrerão nas cidades cearense de Maranguape, Maracanaú, Iguatu, Sobral e AURORA. O chamado circuíto estadual de luta de braço na sua edição 2012.
A competição de Aurora conforme o professor Vicente está prevista para acontecer em meados do mês de março na quadra poliesportiva no bairro Araçá. O circuito é um evento promovido pela referida federação(FCLB) objetivando a formação atletas que serão inclusos no ranking com vistas a obter o índice para as futuras participações no campeonato nacional da categoria. Cumpre igualmente destacar, que a federação cearense de luta de braço(FCLB) desde o começo da sua formação, tem como sede oficial a cidade de Aurora.
Diria que é um grande orgulho para todos nós, estarmos sediando este entidade, bem como estarmos recebendo as competições do circuito cearense da categoria”, disse o secretário. “O esporte de um modo geral, constitui uma ferramenta das mais importantes para que possamos transformar a sociedade para melhor, notadamente em se tratando da nossa juventude e, na luta de braço, não será diferente. Para tanto, estamos recebendo todo o apoio do prefeito Adailton Macedo neste sentido”, finalizou.
--------------------------------------
Da Redação do Blog da Seculte/Aurora
Foto: Seculte

............................
LEIA MAIS EM:

WWW.jcaurora.blogspot.com
WWW.aurora.ce.gov.br
WWW.blogdaaurorajc.blogspot.com
WWW.prosaeversojc.blogspot.com
WWW.cariricangaco.com
WWW.seculteaurora.blogspot.com

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Seu GONZAGA Alfaiate, um dos últimos comunistas românticos de AURORA - Por José Cícero*

ENTREVISTA...
José Cícero no momento em que entrevistava Seu Gonzaga para a reportagem do Blog de Aurora

José Cícero, Seu Gonzaga e Pedóca André no momento da entrevista
..........................................................................................................

Luiz Gonzaga dos Santos 87 anos. Assim pelo seu nome de batismo talvez poucos saibam exatamente de quem se trata. Mas basta pronunciar seu nome de guerra - 'Gonzaga Alfaiate'(foto ao lado), para que todos logo saibam quem ele é, sobretudo os mais antigos da sua época. Como músico tocador de clarinete compôs a 1ª formação da famosa banda de música da Associação Beneficente em meados de 1936. Alfaiate de profissão, foi ainda chefe de agência de ônibus, vendedor de loterias e destemido militante comunista.
Hoje ele está cego e com sério problemas de audição. Há anos que não mais sai de sua residência. Uma aprazível vivenda quase bucólica, situada próxima a linha férrea à rua João de Sá Cavalcante a mais periférica da cidade, já quase descambando para o lado Norte pras bandas do rio Salgado.
É lá onde ele se refugia praticamente do mundo a sua volta, segundo suas próprias palavras durante a entrevista prestada a este articulista para o Blog de Aurora em meados do mês de dezembro do ano passado.
Num começo de noite, Seu Gonzaga nos recebeu em sua residência com a mais pura da amabilidade tão comun a boa gente interiorana. Mesmo cego e com dificuldade para ouvir, durante mais de uma hora conversou conosco de maneira descontraída e alegre sobre diversos assuntos relacionados à história de Aurora e outros acontecimentos da sua própria vida. Lúcido e cortês é quase uma enciclopédia no que tange aos temas históricos de Aurora. Seu Gonzaga é por isso mesmo possuidor daquilo que poderíamos bem chamar de ‘memória de elefante’. Ao ponto de narrar muitos fatos distantes no tempo com elegância e nos seus mínimos detalhes...
Ele foi seguramente um dos protagonistas de uma história que os poderosos fizeram de tudo para que já nascesse morta. Isto é, que fosse relegada ao esquecimento total. Como forma de negá-la à posteridade. Mas se enganaram. Nenhuma história de resistência morrerá assim tão fácil. O velho Gonzaga, como se nota, mesmo depois de tantos anos ainda agora continua sendo o seu portador.
Uma história imorredoura, visto que sempre brota como erva resistente da nossa caatinga sertaneja. Fincando raízes profundas no solo sagrado de uma aventura que nunca finda, apenas "toma fuga e logo em seguida, rejuvenesce". Bastando apena uma neblina da memória para reacender de novo em algum lugar do tempo como uma trovoada gigante a cair dos céus. E de certa forma, foi exatamente isso o que aconteceu com este herói do povo. Seu Gonzaga é um nome que ainda hoje impõe respeito e confiança junto a todos quantos o conheceram outrora, nos anos idos. Um lutador. Um dos primeiros músicos de Aurora que não media esforços em transmitir seus conhecimentos aos seus contemporâneos; como foi o caso do renomado músico da terra – Assis Paulino, do qual foi professor.
Foi também uma dos mais conceituados alfaiates desta região. Cuja profissão exercera com denodo por mais de 4 décadas quando tal ofício esteve no auge. Sendo, por assim dizer, uma atividade das mais nobres naqueles tempos. Paralelo, exercia a lida de vendedor de bilheta das loterias(federal e estadual). Anos depois foi gerente da Viação Brasília e da São Geraldo na cidade. Era um autêntico "passarinho urbano”; por isso mesmo, bastante considerado em todas as atividades que exerceu na vida.
Mas a história que protagonizou e que agora queremos resgatar não se resumia apenas as questões profissionais cotidianas. Ele foi muito mais além... Ousou pensar um mundo diferente. Dotado de uma consciência bastante revolucionária, Seu Gonzaga integrou um grupo de amigos diferenciados, sobretudo para os padrões daqueles anos difíceis. Botou a mão na massa... Foi à luta. Antenado com as notícias do Brasil e do mundo ainda no ‘Estado Novo’ despertou para as questões políticas.
Tornou-se por seu turno, mais um dos simpatizantes da revolução Bolchevique de 1917 que teve palco na antiga União das Repúblicas Socialistas Soviética de W.I. Lênin. Foi adepto do 'outubro vermelho' e depois dos barbudos cubanos: Fidel, Guevara, Camilo, Cifuengos, bem como de Carlos Prestes, Marighella, Grabóis, Amazonas, Rosa Luxemburgo, Olga, Brizola, dentre outros...
Curioso e perspicaz, acompanhava tudo pelo 'rádio de válvula', ouvindo por exemplo a BBC de Londres, depois a rádio Nacional e até (em ondas curtas) a rádio Havana de Cuba.
Em 1945 ao lado do seu grande amigo Seu Biró(outro grande adepto do comunismo) organizaram a primeira célula do antigo PCB de Carlos Preste e João Amazonas em terras aurorenses, antes mesmo de Juazeiro, Crato e Missão Velha.
Como ele mesmo explicou. Não era um partido, mais um grupo razoavelmente organizado com deveres e funções específicas de cada um dos seus membros. "Era uma célula como se chamava naquele tempo". Sem dúvida, um ato deveras pioneiro e perigoso.

O referido grupo era composto, inicialmente por apenas cinco integrantes. A saber: Seu Biró(coordenador)(foto ao lado), Seu Gonzaga, Vicente Ricarte, Micena Rafael e Jesus Fernandes. As reuniões eram praticamente clandestinas, em face da grande perseguição política e do preconceito social plantada em parte, conforme ele, pelo padre assim como pelas lideranças que dominavam o cenário da política local. Num tempo em que ser comunista era um verdadeiro pária da então sociedade, rude, atrasada e preconceituosa de então. De modo que, eram logo tidos como: temíveis ateus, 'comedores de criancinhas' e bestas-feras da vida.
Além de tudo, contavam com a ferrenha oposição dos mandatários do lugar. Num tempo em que quase ninguém tinha coragem de falar abertamente da política, dos governos e dos desmandos dos caciques locais. Tampouco dos antigos dogmas religiosos. Contudo, os comunistas não poupavam suas críticas ácidas contra este estado de coisas. "Mesmo sem fazer parte diretamente do nosso grupo", lembra ele - "o Sr. Adauto Campos que também era alfaiate, foi também um grande simpatizante do pensamento que defendiamos".
De forma que falavam abertamente das suas idéias e inquietações do dia a dia pelas ruas, cafés, barbearias e pelo comércio em geral. Ou seja, os locais mais freqüentados pelo povo e, notadamente pelos potentados do lugar. Cumpre destacar que grande parte da elite praticamente os odiava.
Os padres da época diziam que os comunistas eram os representantes do próprio diabo. E os políticos(os coronéis dos sertões) os chamavam de verdadeiros criminosos, inimigos da pátria e da paz. Não era fácil a vida dos que ousaram pensar diferente e enveredar pelos caminhos do socialismo. Fazer política interiorana, não era um ofício fácil.
De tal sorte, como se percebe, eles pagaram um preço alto demais pela ousadia de falar o que pensavam, sonhando com pioneirismo a conquista da democracia. Foram todos, por assim dizer, condenados por sonhar, quem sabe, o futuro que ora vivemos de modo o mais democrático possível. Uma verdadeira utopia naqueles anos negros de ignorância e truculência.
As reuniões eram todas clandestinas. Realizadas na sua grande maioria na calada da noite. Algumas na casa de seu Biró e nos finais de semana no sítio Várzea de Pedra a cerca de 5 km da sede onde residia um dos membros do grupo. Para não chamar a atenção, um por um, eles seguiam a pé para o local. E o retorno também era assim. Liam, estudavam e distribuíam o Democrata – o jornal do partido que difundia as idéias e as diretrizes do movimento socialista mundial que era, produzido em Fortaleza e que, quinzenalmente, era remetido atraves do chamado trem da feira que vinha de Fortaleza para a cidade do Crato, explicou Seu Gonzaga com certa emoção nas palavras.
Vicente Ricarte e Seu Gonzaga eram os responsáveis pela distribuição do Democrata em Aurora. Quando as coisas estavam “pretas”, Vicente Ricarte(do Araçá) tinha que ir receber o tal jornal ainda na estação de Iguatu para não levantar nenhuma suspeita, costumava dizer seu Biró.
Houve uma época em que a perseguição se acirrou tanto, inclusive pelas questões relacionadas à política local. Num destes momentos, segundo Seu Gonzaga, ocorreu quando da disputa pela prefeitura então polarizada entre as candidaturas de seu Araripe pelo PSD e o Dr. Acilon Gonçalves pela UDN.
Os comunistas se diziam simpatizante do PSD, posto que a sigla “era menos ruim e menos burguês”. E esta opção terminou gerando um conflito entre os apoiadores da UDN e os simpatizantes do comunismo local(PCB). Havia uma sensação de temor no ar. À boca pequena, rumores davam conta de que algo de perigoso iria ocorrer contra os comunistas e seus amigos mais próximos. De modo que, numa noite durante uma passeata dos udenistas, o pio aconteceu. Foi o que hoje chamaríamos de ‘atentado’. Para época, um acontecimento um tanto quanto inusitado. Um ato incomum para os padrões da época.
“No início da noite quando o povo passava em frente a residência de Biró na rua grande, soltaram uma bomba de relativa potência destrutiva. Por sorte ninguém se feriu, Biró não estava em casa. O artifício foi tão forte que chegou a derrubar os pilares da residência. “Uma coisa horrível usar um explosivo daquele”, recordou ele. Nenhum inquérito foi feito para apurar o estranho caso. Muitos tinham medo de falar sobre aquele episódio, pois temiam e com razão, possíveis retaliações.
Naquela mesma eleição, foi lançada informalmente a candidatura de Seu Biró ao cargo de vereador. Não se falava noutra coisa desde as ruas à zona rural. Haviam chances reais da sua eleição fácil, devido o trabalho de articulação bastante organizado do grupo. A ousadia dos comunistas repercutiu bastante. Era um voto de protesto. Um nome alternativo que ia de encontro aos poderosos. Uma mudança. Uma novidade importante para os aurorenses. Contudo, ao perceberem que seu Biró poderia ser eleito, os ricaços do poder trataram logo de montar um complô. Uma farsa tramada pelos poderosos nos bastidores.
"Os donos do poder detonaram a nossa chance eleitoral" enfatizou o velho revolucionário. Cassaram o registro do candidato dos comunistas na cala da da noite. Alegaram, segundo Gonzaga, que o partida pelo qual Biró estava filiado era clandestino. Mas não. Na capital e noutros municípios do Estado várias candidaturas foram homologadas naquela eleição pelo PCB. Algumas até obtiveram êxitos eleitorais. Curiosamente apenas em Aurora houve esta proibição injusta e vergonhosa. Quando comunicaram à Fortaleza não houve mais tempo. E Biró terminou sem poder ser candidato. Ainda assim, o nome dele apareceu na urna durante a apuração dos votos. Depois, sentimos que foi muito engraçado tudo aquilo.
Além do episódio da explosão da bomba, durante a entrevista, Seu Gonzaga lembrou ainda de mais dois fatos que lhe marcaram a memória de maneira altiva e forte. Duas agressões covardes que ocorreram contra dois simpatizantes do grupo. O Primeiro deles, em plena praça da matriz quando Zé Cocô a mando dos potentados políticos da época num dia de feira agrediu covardemanete o Sr. João Magalhães do Tipi que era adepto do PCB. Outro ato de agressão foi sofrido pelo alfaiate Nonato no interior do seu próprio local de trabalho no coração da cidade. Desta feita, levado a cabo pelas mãos do próprio líder político acompanhado por mais dois capangas à tiracolo, disse.
Neste último caso, a coisa só não foi pior devido a intervenção destemida do Seu Gozanga que implorou para que parassem com aquela violência contra aquele cidadão de bem . “Implorei com todas as minhas forças para que não surrassem aquele homem. Não batessem, nem chicoteassem aquele homem que era meu amigo também de profissão, declarou ele. "Pedi por dentro para Nossa Senhora e todos os santos para que não permitissem aquela desfeita contra a honra e a moral do meu amigo Nonato". O referido alfaiate era seu companheiro de lida trabalhista e de idéias. Era um homem de bem. Pobre mas bem conceituados por todos, explicou ele.
Tristonho pela desmoralização que sofreu, no dia seguinte o alfaiate Nonato deixou Aurora desolado com toda a sua família, indo residir deste então, em Juazeiro do Norte. Antes chamou Gonzaga em sua residência e bastante sentido, entregou-lhe a chave da alfaiataria com tudo que lá havia para que o amigo tomasse conta, até a entrega da última encomenda de roupa. E Gonzaga o fez solidariamente, enviando inclusive o apurado para o mesmo em Juazeiro.
Anos depois, o deputado Quintino Teixeira(que era enteado de Seu Araripe) conseguiu uma colocação para Nonato na agências dos Correios e Telégrafos da capital, onde ele terminou, anos depois, sendo chefe e se aposentou. Tendo conseguido formar todos os seus filhos na capital cearense. Nunca mais voltara a Aurora sequer para uma visita, tamanha foi a ofensa que sofrera.
Em meio aquela agradável conversa(entrevista), seu Gonzaga lembrou ainda de um comunista de Missão Velha de nome Zé Cadete que vinha vez por outra a Aurora para se reunir com o grupo e tratar das questões teóricas e de articulação política. Ele ficava hospedado na casa de Biró e na de seu Gonzaga. Uma vez chegou a passar um mês em Aurora tratando da organização dos comunistas. Era um sonhador em potencial. Um cidadão que acreditava no futuro como uma questão objetiva e inalienável.
Na revolução de 64 Zé Cadete foi preso em Missão Velha e recambiado de trem para fortaleza onde ficou encarcerado no Instituto Paulo Sarasate(IPPS). Ficou preso junto com uma multidão de ladrões e bandidos da pior espécie. Mesmo sem nunca ter cometido um crime sequer, disse ele com um ar de imensa tristeza. Ainda em Missão Velha, um certo doutor de nome José Ribeiro também sofreu dura perseguição dos militares e teve todos os seus livros queimados pela repressão. As notícias das prisões se sucediam o tempo todo e chegaram rápidamente a Aurora. Antes mesmo que o jornal do trem da feira do Crato que todos os dias ia e vinha da capital.
Também em Aurora, todos tiveram que correr e se esconder em segurança. Seu Biró foi para o sítio de Joaquim Moreira pras banda de Quitaiús. Os demais se esconderam como podiam em qualquer lugar onde não fossem pegos. Apenas Gonzaga resolveu ficar. Decidiu correr o risco. Mesmo confessando ter sido aquela uma atitude por demais tememária.
“Quando a perseguição chegou ao Cariri um dos primeiros que foi pego que se tem notícias foi o camarada Zé Cadete da Missão Velha”, disse ele. Informações davam conta de que sofrera o diabo na prisão da capital durante as sessões de tortura. Mas nada falou sobre as atividades dos que ficaram em Aurora e Missão Velha. Quando solto, quase morto rumou para o São Paulo e nunca mais deu notícia... Era um amigo, um cidadão inteligente, um bom cristão...
“Certa manhã, fui intimado a comparecer a delegacia. E fui. De longe vi um Jipe verde-escuro cheio de soldados com a farda do exército. Rezei. Fui interrogado por um certo coronel de nome Virgílio. Um homem que me pareceu extremamente educado. Recebeu-me com um certo sorriso. Fez as perguntas de praxe. Foi longo dizendo que eu não tinha cara de comunista. Solicitou que eu contasse toda a minha história. Tinha algo escrito num papel. Neguei tudo. Disse-lhe apenas que vendia e distribuía o jornal Democrata, porque ganhava uma comissão.
Afinal, eu era um pai de família e precisava ganhar algum dinheiro. Ele positivava com a cabeça e olhava dentro dos meus olhos. Dos outros, disse-lhe que nada sabia. E o coronel Virgílio, compadecido do meu relato de penúria, meteu a mão no bolso, me deu algum dinheiro e pediu que eu me fosse... Sai como uma bala. Desci os batentes da delegacia num pulo só. Não consegui ver os males da ditadura nos olhos daquele homem que me tratou tão bem. Acho que eu tive sorte.”
Não encontraram o suposto grupo de Aurora. Seu Biró ainda tentou saber como ajudar o Zé Cadete na prisão alencarina. Mas não teve como, afinal de contas, também era um procurado. “Nossas mulheres eram quem mais nos pressionavam a fugir e abandonar a luta, temendo as prisões que vinham sendo processadas por todos os cantos. Os jornais estavam cheio de notícias dando conta dos acontecimentos e até de mortes de pessoas vitimadas pelos militares”. Foi um tempo de terror, que graças a Deus conseguimos passar ilesos sem maiores problemas, concluiu.
Sentado diante da sua cadeira, vislumbrei o seu Gonzaga cego, de olhos fechados, pensativo por alguns momentos, mas altivo como que enxergasse o mundo muito mais que eu. Ou seja, o mais profundo possível, quem sabe, com maior nítidez humanista, dado que via com os olhos da alma e do coração. Como de resto, há quem diga que a melhor das visões é mesmo a do coração. E isso foi possível perceber quando conversamos com o velho comunista de Aurora. O último dos sobreviventes de uma verdadeira saga política que as gerações do presente e do futuro não deveriam esquecer por nenhum motivo.
Além da história dos comunistas de Aurora em particular e do Cariri em geral, falamos igualmente, de muitas outras coisas relativas ao município, dos tempos passados, dos antigos amigos, da profissão, da banda de música da beneficente, da política daquela época, enfim, de uma Aurora que não mais existe a não sem na memória de verdadeiros guerreiros como no caso de seu Gonzaga e tantos outros que já partiram para o panteon da eternidade. Diria, de uma história que não quer calar...l
No final da minha entrevista, perguntei-lhe se em algum momento ele se arrependeu de ter optado pelas ideais comunistas. E ele me disse com a mais natural das convicções: – Nunca! O que eu queria era na verdade, começar tudo de novo, ah, se isso me fosse possível...
Em seguida, quando fui agradecê-lo por ter nos recebido, ele me interrompeu dizendo: – Quem agradece a vocês sou eu pela atenção a este velho cansado pelo tempo. Mas que não desistiu ainda da vida. Sou um teimoso viu!...
Fiquei comovido diante da vontade, da experiência e da ânsia de diálogo daquele homem, cujas forças resistem nas suas convicções mais latentes... da sua consciência quase desafiante, bem como da sua memória rica e fértil, ainda movida pelas idéias socialistas e democráticas. “Nada daquilo que fizemos foi em vão. Fizemos o que foi preciso nada mais... Isso é o que me basta.”
De fato, a democracia, a liberdade que agora vivemos de algum modo especial contou com a contribuição desprendida daqueles homens sonhadores e destemidas como seu Gonzaga, e tantos outros, espalhados pelos diversos rincões deste país inteiro. Alguns tiveram que pagar com a própria vida, por isso, temos que valorizá-los com toda as nossas forças. Por isso precisamos prestar a todos eles nossa gratidão, reverência e homenagem. Obrigado seu Gonzaga, Seu Biró, Seu Vicente e todos os demais aurorenses que um dia acreditaram no sonho possível de um Brasil melhor, justo e democrático.
Por fim, quando vejo hoje alguém desperdiçando o seu voto, penso na luta de homens como seu Gonzaga, seu Biró, Zé Cadete e tantos outros... E desse modo, percebo que nunca podemos desistir de um ideal, de um sonho que acreditamos. Sem o qual, creio que a vida, além de muito mais monótona nem sempre valeria muita a pena....
Seu Biró(sentado a direita na cadeira vermelha) ao lado de parentes no sítio Japão de Aurora
A despeito do velho comunista. Pergunto pra mim mesmo: Quanto vale um ideal. O quanto uma idéia pode sobreviver com a gente por uma vida inteira. Seu Gonzaga é um exemplo vivo de que ninguém poderá sobreviver em paz sem a perspectiva de um ideal nobre e valente. Que os deuses da longevidade possam conservá-lo por muito mais tempo entre nós. E que a história de Aurora, assim como as gerações do presente e do povir não o esqueçam jamais...
Ele é portanto, aquilo que poderíamos denominar de um 'poço de sabedoria'. Um testemunho vivo e importante da chamada história verdadeira dos oprimidos. A luta da memória contra o esquecimento.
A Entrevista: Além do comunismo aurorense, outros temas palpitantes também foram abordados(e devidamente gravados) o que certamente, darão novas estórias e histórias, que eu haverei de aproveitá-las em momentos oportunos deste blog... Como um serviço que prestamos à memória de Aurora e do Cariri como um todo. Posto que, uma cidade sem história é como algo que está prestes a sucumbir pela voracidade da modernidade que a tudo consome, devora, vomita e mata.
----------------------
José Cícero –
Professor, Escritor, Pesquisador e Poeta.
Secretário de Cultura e Esporte
Aurora-CE.

........................................................................

LEIA MAIS EM:

WWW.jcaurora.blogspot.com

WWW.prosaeversojc.blogspot.com

WWW.aurora.ce.gov.br

WWW.blogdaaurorajc.blogspot.com

WWW.seculteaurora.blogspot.com

www.blogdaaurorajc.blogspot.com

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Aurorenses ilustres, filhos de ex-prefeito fazem visita a AURORA

Cícero Herivelton(Ouvidor do Município), Dr. Carlos Alberto Sá(juiz), Profª Dulce Maria Sá e José Cícero(Secretário de cultura) na sede da Seculte-Aurora.


Na última quinta-feira, dia 19 estiveram visitando o município de AURORA o Dr. Carlos Alberto Sá da Silveira – juiz titular da sexta vara cível de Fortaleza, Dr. Antonio Arlei da Silveira, assim como as professoras Dulce Maria Sá e Moema Sá da Silveira – todos irmãos, alguns nascidos em solo aurorense. Ambos são filhos do ex-prefeito de Aurora o Sr. Antônio Temístocles de Oliveira – que assumiu a interdência(prefeitura) municipal no ano de 1944, sob a indicação do então governador do Estado o Dr. Menezes Pimentel.

O grupo esteve sendo acompanhado pelo ouvidor da prefeitura o Sr. Cícero Herivelton. Além do paço municipal, da estação ferroviária, igreja matriz, rio Salgado, capelas da Rosa Mística e da mártir Francisca, bem como praças e avenidas a equipe esteve visitando também, o casarão que abriga atualmente a sede da secretaria de Cultura do município, sendo na ocasião recebido pelo secretário José Cícero.
Entusiasmados, os filhos de Aurora, contemplaram as peças de artes expostas no local que integram a exposição permanente da Seculte. Ainda, aproveitaram para conferir uma a uma, todas as mais de 200 fotografias antigas pertencentes ao acervo do JC que já foram objetos da exposição iconográfica durante duas edições do Encontro anual dos filhos e amigos de Aurora(AFA).
“É por demais gratificante, recebermos pessoas com este olhar histórico e neste caso especial, filhos da terra que há muito tempo não viam de perto este torrão. Foi muito emocionante, puder compartilhar da mesma alegria e do entusiasmo desses aurorenses que retornam ao seu solo natal para matar saudade e rever amigos. Ouvi-los falar com verdadeiro júbilo de outros tempos, bem como da satisfação e da emoção que tiveram diante da constação dos avanços e da modernidade da nossa urbe, como igualmente dialogar com os mesmos ante as novidades do presente e as perspectivas do futuro”, disse o secretário.
“Que todos aqueles que de alguma maneira amam de verdade esta terra, seja na distância e/ou no além-fronteira do Brasil e do mundo estejam todos convidados a conhecer de perto a nossa querida e aprazível Aurora e que nos ajude a torná-la cada vez mais bela, moderna, justa e melhor para os seus filhos e amigos”, finalizou.

.................................

Torneio de futebol de Ingazeiras foi concluído no último sábado


Prefeito Adailton Macedo, JC e familiares do ex-verador Antonio Teles no momento da entrega da premiação aos vencedores da competição




Terminou no último sábado, dia 21 a edição 2012 do tradicional Torneio de futebol vereador ‘Antonio Teles de Pontes’ do distrito de Ingazeiras. Os ganhadores da competição foram os seguintes: 1º - Iniciantes FC, 2º - Mocó EC 3º - Canário Milan FC e 4º – EC Morro Dourado.
A prefeitura municipal por intermédio da sua secretaria de cultura e Esporte premiou os vencedores com belíssimos troféus e mais uma significativa bonificação em dinheiro. A saber: 1.000 reais para o primeiro colocado, 500 reais para o segundo e 300 reais para o terceiro. Além de 100 reais para o artilheiro e mais 100 reais para o goleiro menos vazado( Inácio do time do Mocó).
A entrega da premiação aos três primeiros colocados foi feita pelo prefeito Adailton Macedo juntamente com os familiares do ex-vereador homenageado (esposa e filhos). O ato de entrega ocorreu no próprio local da competição, ou seja, ao lado do campo de jogo. Um bom número de torcedores e dirigentes esportivos de Ingazeiras e região compareceu ao campo, tanto no período da manhã, quanto na parte da tarde.
Inauguração da quadra poliesportiva:
Em breve, acontecerá a solenidade de inauguração oficial da nova quadra poliesportiva da comunidade recentemente construída pela administração “O povo construindo o novo”. Conforme o secretário JC, na oportunidade haverá um dia inteiro de atividades esportivas e culturais, assim como um torneio de Futsal masculino e feminino, incluindo a participação de duas equipes da sede.
O prefeito Adailton Macedo, por sua vez, está ventilando a possibilidade de um grande acontecimento festivo no sentido de reunir todos da comunidade e adjacências para juntos comemorar mais esta conquista para o distrito. Além da quadra, várias outras obras e ações já foram ou estão sendo realizadas em Ingazeiras e circunvizinhanças.

Da Redação do BLOG de AURORA.

LEIA MAIS EM:

WWW.jcaurora.blogspot.com

WWW.prosaeversojc.blogspot.com

WWW.aurora.ce.gov.br

WWW.blogdaaurorajc.blogspot.com

WWW.seculteaurora.blogspot.com

www.blogdaaurorajc.blogspot.com